Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Para quem me vai seguindo aqui pelo blog sabe a minha paixão por, 20160702_151436.jpgentre outras coisas, livros infantis. Por isso hoje trago-vos mais um: a árvore generosa.

Este é daqueles livros para miúdos e graúdos. Quando tomei conhecimento dele comprei duas cópias! Dei uma ao meus pais em jeito de agradecimento e de reconhecimento pela forma como educaram os seus três filhos e a outra cópia fiquei com ela em casa para ler aos nossos filhos e para nos relembrar a todos que tipo de parentalidade queremos praticar.

Passo a explicar. Este livro começa assim “era uma vez uma árvore que amava um menino”. 20160702_151518.jpgEsta árvore e este menino tinham uma relação especial que se foi transformando e evoluindo à medida que o tempo passava e o menino crescia. A árvore esteve sempre presente para o menino. Quando ele era criança utilizou os seus ramos para baloiçar, depois vendeu as suas maçãs para ter dinheiro, mais tarde pediu a a madeira para fazer uma casa para a sua família e por aí em diante. O tempo foi passando e a árvore foi ajudando o menino, entretanto transformado em homem, a ser feliz. De cada vez que o menino ficava feliz, a árvore também era feliz. No fim o menino, já velho, só queria um lugar sossegado para se sentar e descansar. E a árvore, já só um toco, pode-lhe dar exatamente isso. E ficaram os dois felizes...

É isso mesmo que quero representar para os nosso filhos. Quero ser a árvore generosa, sempre disponível para os ajudar e quero ficar feliz por eles estarem felizes. É tão simples como isto... o complicado é fazer!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este é um provérbio que ouço desde os meus tempos de faculdade. Historicamente a educação de uma criança sempre foi uma tarefa coletiva. Com o passar do tempo, e apesar das alterações da sociedade, continuamos (na maioria dos casos) a poder e dever contar com a ajuda da família nucl20161023_155200~2.jpgear ou alargada, dos amigos, vizinhos, conhecidos, comunidade escolar e tudo o mais que possa surgir.  Nem sempre é preciso nós, mães ou pais, sabermos e conseguirmos dar conta do recado sozinhos.

Apesar destas ajudas serem fundamentais, hoje queria refletir um pouco sobre as ajudas mais formais de técnicos: psicólogos, terapeutas das diversas áreas, ou outros. Estes são profissionais que trabalham creches, jardins de infância, escolas ou em centros educativos, etc. São eles que nos podem ajudar a nós, pais, em certos aspetos do desenvolvimento dos filhos quando estes ultrapassam as nossas competências e até as dos educadores e professores.

No nosso caso tivemos de recorrer à ajuda de uma terapeuta da fala para a filha, há alguns anos. Quando decidimos a levar a filha a uma avaliação de terapia da fala, por indicação da educadora e suspeita nossa, surgiu-me algum sentimento de culpa, de estar a falhar em algum aspeto da sua educação. Só depois de muita reflexão é que me ocorreu: como pais não estamos  a falhar, antes pelo contrário. Estamos a resolver uma situação que surgiu e que não é da nossa competência resolver sozinhos. E por isso procurámos ajuda especializada e foi o que fizemos de melhor. Hoje em dia a filha tem uma articulação das palavras corretas e teve uma aprendizagem da leitura e da escrita sem problemas.

Mais recentemente também detetamos alguns problemas no filho a nível da articulação das palavras e também ele está a ser acompanhado por uma terapeuta da fala... sem conflitos interiores e com muito mais serenidade para aceitar que podemos e devemos contar com todas as ajudas possíveis, sejam elas mais ou menos formais.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D