Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Foi um daqueles fins de dia... chovia torrencialmente e o trânsito estava infernal. Quando finalmente chegamos a casa as crianças estavam excitadíssimas, eu com os nervos em franja e já eram horas das rotinas do fim do dia.  Claro que, no estado em que já estávamos todos, houve uns gritos a mais do que é costume ou desejável.

Já despachados dos banhos, jantar, etc. costuma haver tempo para uma história antes de deitar. Calha uma vez a cada um dos filhos o direito de escolha. De vez em quando o Pai ou eu reclamamos para nós esse direito, como aconteceu nesse dia: ”Hoje escolho eu a história!”

Fui à prateleira dos livros e chamou-me a atenção um livro pequenino de lombada laranja que já não era lido há muito tempo. O título era “Quando a Mãe Grita”. OK, universo; eu ouvi-te...

quando a mãe grita001.jpg

É um livro pequeno de tamanho, mas enorme de conteúdo. Fala sobre uma Mãe Pinguim que grita com o seu Filho Pinguim e este fica desfeito. No fim da história a Mãe Pinguim vai com linha, agulha e amor unir todos os bocados do filho que tinha ficado desfeito.

 

 

Não sou perfeita, não tenho paciência ilimitada nem tolerância infinita. Tenhquando a mãe grita002.jpgo dias e momentos, uns melhores do que outros. Por isso, de vez em quando lá em casa a Mãe grita. Não considero ser um dos meus meus melhores momentos como Mãe, nem dos métodos mais eficazes Mas, QUANDO A MÃE GRITA,  faço por ir buscar a minha linha, agulha, paciência  e amor para recompor os meus “pinguins” lá de casa.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D