Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Há dias assim

26.06.17

Já dizia o outro: “Voltei, voltei. Voltei de lá. Ainda ontem estava em França e agora já estoucá…” E assim também estou eu: VOLTEI! Se bem que não estive em França, nem em nenhum outro sítio e também não fui de férias. Andei só um pouco perdida por aí. Deixei-me perder neste final de ano lectivo. Deixei-me levar primeiro pelas rotinas rígidas do ano lectivo, depois pela falta delas (como é característico nesta altura do ano cá por casa); deixei-me levar pela minha radical mudança de vida e suas implicações; deixei-me levar por uma gastroenterite sem qualquer gravidade, mas muito chata (não há coisa pior do que ouvir os filhos a chorar de dores e não poder fazer absolutamente nada por eles!); deixei-me levar por circunstâncias da vida e coisas menos boas que inevitavelmente acontecem à nossa volta; deixei-me levar por tudo e por nada.

Há dias assim .jpg

  É o que acontece quando achamos que somos super-heróis qual Batman ou Super-homem (as referências a super-heróis cá em casa são sempre masculinos, pois para o meu filho só esses contam verdadeiramente!). Quando entro em modo zás, trás pás e já está. Com uma mão e metade do meu cérebro estou enviar um mail com o trabalho da pós-graduação que tenho que ser entregue nesse dia sem falta, enquanto espero o pó tira nódoas actuar para tirar a mancha de tinta castanha da camisola de ginástica que o filho precisa para o dia seguinte e pelo canto do olho ainda consigo espreitar a filha mais velha enquanto me pede para a ver a treinar o seu solo de hip-hop!

PÁRA TUDO!!! Relaxa, respira e racionaliza. Não sou um super-herói nem a mulher dos sete ofícios, mas também não é suposto ser. Sou mãe, mulher, filha, irmã, amiga, profissional (a ordem é arbitrária) mas acima de tudo sou humana. E tenho que perceber que o mundo não pára de girar de cada vez que eu preciso de desacelerar um pouco.

É engraçado como algumas coisas são cíclicas para mim e penso que para a maior parte das pessoas! Em Setembro, no início do ano lectivo escrevi aqui exactamente sobre isto: com muita calma e descontracção. E agora, passados nove meses cá estou eu outra vez na mesma. Mas o importante é saber perceber quando estou a entrar nesta espiral de ansiedade e não me deixar ser sugada por ela!

Por isso (e como uma pessoa me ensinou) é preciso respirar, relaxar e racionalizar! Inspira… expira… inspira… expira…

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D